*

POR ANDREA CARVALHO STARK, Rio de Janeiro, Brasil, agrinalda@gmail.com



A carreira da cantora lírica e atriz italiana Augusta Candiani foi tema de minha dissertação de mestrado em História e Historiografia do Teatro Brasileiro, defendida pela Escola de Teatro da UNIRIO. Agora estou finalizando um livro biográfico sobre a nossa primeira Casta Diva, contemplando novos materiais e informações organizados em mais de quinze anos de pesquisa sobre o tema.

Esse BLOG serve a mim como apresentação, release e divulgação desse meu trabalho, quando necessário.












O álbum perdido de Augusta Candiani

Estou buscando localizar um documento histórico referente à atriz e prima-dona do século XIX, Augusta Candiani (Milão, 1820- Rio de Janeiro, 1890). Sua carreira na ópera e no teatro dramático do Brasil foi tema de minha dissertação de mestrado em História e Historiografia do Teatro Brasileiro, defendida pela Escola de Teatro da UNIRIO em 2004. Agora estou finalizando um livro biográfico, a partir do material reunido em mais de dez anos de pesquisa sobre o tema.

O que procuro é um álbum de recordações que a cantora possuía, no mínimo a partir de 1845, e que contém poemas em sua homenagem, autógrafos e desenhos. Inclusive consta nesse álbum um único desenho localizado no Brasil, em 1963, do pintor suiço Louis Buvelot.

O álbum é um caderno de recordações que pertencia à cantora, algo muito comum entre artistas no século XIX. Possui obras de  Augusto Muller e José Reis de Carvalho, professores da Imperial Academia de Belas Artes. Buvelot, ,J. C. Guillobel também estão presentes.

O álbum fazia parte do acervo do marchand Jorge Getulio Veiga. Tenho também a informação de que a Editora Quinta Cor, no Rio de Janeiro, especializada em livros de arte, teve o álbum em seu escritório por um tempo, pois tinha interesse em publicar obras que lá constavam. Essa editora não existe mais. Na verdade, não tenho certeza se o álbum retornou ao marchand, que o havia cedido à editora para reprodução. Após o falecimento de Jorge Getulio Veiga, em 1997, e tempo depois o de sua esposa, acredito que tenha se tornado item de inventário. Já procurei por telefone e carta um de seus filhos, Antonio Carlos, residente na Rua Pompeu Loureiro em Copacabana, entre 2000 e 2002, mas nenhum retorno tive.

É um documento histórico importante, talvez vendido, talvez em mãos de algum herdeiro de Jorge Getulio Veiga, talvez desmembrado, talvez perdido, talvez com alguém da Editora Quinta Cor ou com alguém que desconheça a sua importância.

A partir das datas e autógrafos que constam nesse álbum, poderei ter mais um índice das relações e dos lugares por onde Augusta Candiani esteve, a repercussão de suas apresentações, os contatos e a rede de relações que ela construiu em seu tempo. O meu interesse, enfim, é para pesquisa, consulta e localização de um documento de referência histórica.

Andrea Carvalho Stark,
Rio de Janeiro – Brasil
http://augustacandiani.blogspot.com/
agrinalda@gmail.com

Setembro de 2010-2015.